domingo, 4 de setembro de 2016

Salmão ao forno com molho de mostarda

Uma noite dessas queria fazer algo saboroso, com peixe e que fosse prático de fazer. Lembrei que tinha lido em algum lugar uma receita de salmão ao forno, mas não lembrava detalhes, então fiz como lembrava.

Eu não sou muito de salmão, mas a visita que viria merecia muito porque é o peixe preferido. 

Me surpreendi com a combinação perfeita de sabores e com um prato que ficou bem sofisticado e pronto em menos de 30 minutos. 

Uma pena que o valor do salmão é que não anda muito convidativo nesse momento, mas super vale a pena, porque rende bem.

Você vai precisar de:
1 cebola roxa em fatias
1 kg de filé de salmão sem a pele
sal e pimenta do reino a gosto
2 colheres de creme de leite ou nata
2 colheres de mostarda (usei da Heinz pq acho muito boa)

Tempere o salmão com sal e pimenta. Coloque em uma assadeira levemente untada. Coloque a cebola fatiada por cima. Misture o creme de leite com a mostarda e coloque colheradas por cima do salmão com as cebolas. Leve ao forno bem quente por 20 minutos. E bom apetite!!!

terça-feira, 19 de julho de 2016

Bolo de milho sem glúten

Eu não sigo nenhum dieta restritiva de glúten, e essa receita por acaso é sem glúten. Comemos num hotel de águas termais no lanche da tarde, famintos de ficar de molho na água quentinha. Adorei o bolo, mas não tinha nenhuma indicação do que era. No dia seguinte, novamente tinha no café da manhã e como achei muito bom mesmo, pedi a receita para a cozinheira do hotel, e só então descobri que era o tal bolo sem glúten...mas fica ótimo, vale a pena experimentar.  E é bolo de liquidificador, super prático de fazer.

Bolo de milho sem glúten

1 lata de milho em conserva (usei um copo de milho congelado, daqueles que compra nos congelados do merdcado mesmo, de saquinho)
2 latas de farinha de milho fina
1 lata de açúcar
1/2 lata de óleo
4 ovos
1 colher de sopa de fermento para bolo

Ao invés de usar o milho de lata, usei um copo de milho congelado e só descongelei por um minuto no microondas (e aí substituí todas medidas de lata por copo).
É facílimo, só bater no liquidificador, colocar em forma untada e enfarinhada com farinha de milho e levar para assar em forno médio-alto por uns 15 minutos e mais 15 minutos em forno baixo até dourar. Eu fiz na forma de furo central, mas no hotel foi feita em forma retangular e acho que ficou melhor. Quando fizer de novo, farei na forma retangular, mas a receita é bem boa.







sexta-feira, 8 de julho de 2016

Pão integral facílimo de fazer - na batedeira

Outra receita que apareceu no facebook
e me deixou curiosa para fazer logo...um pão integral de liquidificador. Meu liquidificador certamente não aguentaria bater uma massa tão pesada, mas pensei que a batedeira planetária que vem com gancho para massas pesadas daria conta muito bem da adaptação dessa receita.

A receita original prometia um pão fácil de fazer e relativamente rápido, sem necessidade de ser sovado.  Nunca consegui uma boa receita de pão integral, os meus sempre ficaram pesados, e não tenho paciência de sovar muito, então fiquei muito tentada a arriscar.

O resultado: em exatamente uma hora tinha pão fresquinho e semi-integral na casa. Digo semi-integral pois duvidei que receita pudesse dar certo, especialmente que fosse dar uma boa liga, e aí usei metade de farinha branca e metade integral.

Mas vamos à receita:

- 2 copos de farinha integral (usei metade branca e metade integral então, mas quero fazer 100% integral na próxima vez)
- 2 colheres de chá rasas de açúcar
- 2 colheres de chá rasas de sal
- 1 copo de 200mL de água morna
- 1/4 de copo de azeite ou óleo (usei óleo de arroz)
- 1 envelope de fermento biológico seco para pão (de pão mesmo, não é royal)
- 2 colheres de sopa de semente de linhaça

Bati na batedeira metade da farinha, a água, o açúcar, o óleo e o fermento por uns 2 minutos. Coloquei o resto da farinha, bati por uns 5 minutos e depois misturei a linhaça. Fica uma massa firme, mas bem grudenta. Coloquei numa forma para pão pequena, untada e enfarinhada. Cobri com um paninho úmido e deixe descansar por 20 min dentro do forno que pré-aqueci e desliguei, só para ficar quentinho, já que estava um dia bem frio. Depois de 20 minutos o pão já tinha crescido bem. Aí liguei o forno e assei por 20 min em fogo médio e por mais 10 minutos em forno baixo até dourar. Ficou muito, mas muito fofo. Adorei o resultado, pois mesmo no dia seguinte o pão seguia muito fofo e nada pesado ou seco. E sem nada de aditivos artificias como melhorador de pão, como eu usava antes com outras receitas.

Adorei mesmo!!! Agora farei ouras experiências, misturando outras farinhas e fazendo sem farinha branca para ver como fica. E bom apetite!!!



segunda-feira, 4 de julho de 2016

Hamburguer caseiro recheado com queijo e envolto no bacon

Da série receitas que todo mundo meteu a mão...a cunhada postou no facebook esse vídeo de receita aqui de um hamburguer recheado com queijo. Bastou para gular uns e outros e  proporem o desafio do hamburguer aqui em casa.

Eu sempre gostei muito de fazer hamburguer em casa, por muito tempo sempre tinha aquela receita básica de hamburguer feita com carne moída e sopa de cebola congelados. Com o tempo, enjoei da tal sopa de cebola e o território do hamburguer foi dominado pelo marido, que faz o hamburguer e assa na grelha da churrasqueira divinamente.

E aí no fim de semana, resolvemos arriscar e adaptar a receita, dando uma ligeira simplificada nela.

Para 10 pessoas usamos:

Massa do hamburguer:
1 kg de carne moída de segunda
1,5  kg de carne moída de primeira
1 cebola média bem picadinha (usei o processador para deixar bem miudinha mesmo)
alho picado
sal e pimenta a gosto

Para enrolar: 2 embalagens de bacon em fatias

Recheio:
200g de queijo emental ralado ou picadinho
200g de queijo muzzarella ralado ou picadinho
1 copo de requeijão

Misturar bem os ingredientes da massa do hamburguer até ficar homogêneo. Moldar os hamburguers redondos, e com um copo ou latinha fazer um buraco no meio (olhem no vídeo lá em cima), sem ir até o final, para colocar o recheio de queijo. Enrolar o bacon na volta e rechear com a pasta de queijo e queijos ralados ou bem picadinhos.


Aqui em casa colocamos na grelha da churrasqueira para assar. Mas tivemos um probleminha fazendo assim, pois não assava a parte mais de cima do hambuguer e queijo não derretia. Aí foi preciso colocar a tampa de uma panela de ferro por cima deles para finalizar o cozimento.

Obviamente se os hambuguers forem assados em forno convencional, em um grill com tampa (como no vídeo da receita original) ou frigideira, não vai ser problema, mas na churrasqueira tivemos que dar essa improvisada. Pensamos que numa próxima vez seria legal fazer os hamburguers recheados e fechados para podermos virar os hamburguers na churrasqueira sem que o recheio escorra. Dou notícias quando fizermos esse teste...

Bom, hamburguer assados, foi a vez de montar tudo...usamos pão com gergelim e cada um montou o seu, a gosto: tomate, alface, maionese, catchup, mostarda, cebola refogada na manteiga. Mas um único hamburguer fica mega substancioso, devido ao bacon e queijo, além da carne. Ninguém conseguiu repetir dessa vez kkk

Mas ficou tãoooo bom. Experimentem!!!

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Arroz thai com frango e abacaxi

Eu ainda cozinho, muito pouco, mas cozinho...me falta é tempo de poder escrever sobre as comidinhas. Mas essa receita não quero esquecer, então aproveitei para registrar. Foi uma criação com 4 mãos com uma amiga muito querida e é super prática. A receita original ia camarão, mas uma das amigas que ia compartilhar o jantar era alérgica, então substituí por frango sem nenhum prejuízo no sabor.

- 2 xícaras de arroz branco cozido ( na próxima farei com arroz thai)
- 3 sobrecoxas de frango desossadas ou filé de peito de frango (+- 800g) em cubos
- 1 abacaxi inteiro picado em cubos
- shoyu
- três lascas de gengibre
- 3 dentes de alho
- 1 cebola picadinha
- 1 embalagem de +- 200g de tomatinho cereja, lavados e cortados pela metade
- sal a gosto
- 1 pimenta dedo de moça sem as sementes, picadinha e mais inteiras se quiser usar para decorar
- cebolinha verde picadinha (usei ciboulette)
- 2 colheres de sopa de óleo
- 1 colher de chá de açúcar
- 1 cenoura pequena picada (a receita original sugeria colocar, vou deixar aqui de lembrete, pq na hora acabamos não colocando)
- 100g de castanha de caju torradas e picadas grosseiramente

Fritar o frango com o azeite, sal, gengibre, pimenta, alho e cebola (e a cenoura, se quiser). Quando dourar o frango, juntar o arroz já cozido e misturar bem. Acrescentar o abacaxi e  os tomates só para aquecer. Acertar o tempero com o shoyu e gengibre. Salpicar as castanhas. Pode servir no abacaxi ou numa wok. Fica delicioso e é super prático de fazer. Bom apetite!!!



E combinou super bem com uma tacinha de vinho rosé geladinho:

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Quiche francesa sem massa


Já comentei aqui algumas vezes que pelo fato de eu gostar de cozinhar, acabo ganhando muitos presentes para esse fim. Quando eu estava grávida ganhei de uma prima o livro "Crianças francesas comem de tudo" e só recentemente consegui terminar de ler. Não tinha visto que no final do livro tem várias receitas super fáceis de fazer, uma vez que a autora do livro não sabia cozinhar quase nada quando se mudou do Canadá para um vilarejo na França com as filhas pequenas.
Não dá tempo de escrever muitos detalhes sobre o livro agora, mas achei a leitura muito, muito interessante. 
Sou muito favorável à comida de verdade, de incluir a criança na hora de preparar as refeições, de fazer refeições sentados à mesa, sem tv, de não usar muita comida industrializada, temperos prontos, então, o livro foi bem ao encontro de minhas crenças. E com as receitas mega fáceis ao final então...

Essa é uma receita de quiche muito, mas muuuuuito fácil de fazer. Eu não curto muito massa podre (essa massa bem amanteigada e esfarelenta que tradicionalmente se usa nas quiches e em empadas). Não curto muito comer e  tenho certa dificuldade em achar o ponto, não sou muito de fazer massas à mão também. Veio mais do que a calhar então...
Receita:
- 9 ovos inteiros
- 1 xícara de farinha de trigo
- 1 xícara de leite
- 1 xícara e meia de queijo picado/ralado (eu usei um queijo de iogurte e um pouco de muzzarella, importante ser um queijo que derreta bem)
Só misturar os ovos, leite e farinha com um batedor de mão ou garfo mesmo. Depois que ficar lisinho, misturar o queijo e o recheio.

No livro tem várias sugestões de recheio, eu refoguei um talo de alho poró picadinho comum pouquinho de manteiga em uma frigideira e juntei uma xícara de presunto picado em cubinhos. deixei esfriar e misturei na massa acima. Só misturar tudo e colocar numa forma de mais ou menos 20cm untada. Polvilhar queijo ralado e levar ao forno por 20-40 min em temperatura baixa. Quando dourar e ficar firma, está pronto. Eu usei uma forma dessas de abrir e deu para desenformar super bem, só é importante colocar um assadeira embaixo pq a mistura é super líquida e pode escorrer da forma, se for de abrir. Ele dá uma murchadinha logo que sai do forno, é normal. Fica delicioso!!! 



domingo, 16 de agosto de 2015

Bolo de aveia, maçã, amêndoas e passas

Eu adoro um bolinho caseiro no fim de semana. Ultimamente tenho preferido receitas mais saudáveis, com menos farinha branca e mais integrais, mas também não gosto apenas de farinha integral.

Como gosto de cozinhar, os amigos seguidamente me presenteiam com coisinhas e livros de culinária, o que eu amo. Ganhei há uns anos já um livro de cupcakes com receitas muito diferentes. Resolvi dar uma olhada e achei uma receita que me pareceu muito gostosa: cupcakes de maçã e aveia. Pronto, decidida a receita!!! Adoro receitas que vão frutas na massa, fica um bolo mais úmido. Como o livro é de confeitaria, a receita é toda em gramas e não em medidas comuns, como xícaras, o que me aborrecia muito. Aí meu maridinho me deu uma balança digital de tanto me ouvir reclamar da dificuldade de achar equivalências para fazer as receitas do livro de cupcakes...história longa só para contar que o bolo envolve o carinho de dois presentes...

Ah, eu geralmente prefiro fazer bolo inteiro do que cupcakes, e não tem problema nenhum em fazer isso com receita de cupcakes, altera apenas o tempo de assar. Mas me empolguei tanto com a balança, que esqueci de medir depois para ver quanto equivalia em xícaras...arrumo aqui quando repetir a receita. A receita é facílima, é só misturar na mão e fica um bolo fofinho.

- 80 g de aveia (no livro não diz que tipo, então usei metade farelo de avia e metade aveia laminada)
- 175g (é gramas mesmo, não mL)
- 1 ovo
- 75g de açúcar cristal (meia xícara- na próxima vez vou usar açúcar mascavo)
- 50g de manteiga derretida (usei a mesma medida de óleo de girassol)
- 110g de farinha de trigo (dá uma xícara não muito cheia)
- 1 colher de chá de fermento em pó
- 1 colher de chá de canela em pó
- meia maçã sem casca picada (pequena, umas 60g, usei maçã gala)

Na receita original não ia, mas acrescentei ao final:
- meia xícara de passas de uva
- meia xícara de amêndoa laminada quebradinha

Misture a aveia com o leite frio. À parte misture o ovo, açúcar e óleo batendo à mão mesmo. Junte à mistura de aveia e acrescente a farinha. Misture bem e acrescente o restante dos ingredientes.
Coloquei em uma forma de bolo inglês ou pão (aquela retangular de borda alta), untada com óleo e enfarinhada. Não me dei conta que a receita era pequena e usei uma forma um pouco maior do que deveria, então meu bolo ficou baixinho. Assei por quinze minutos em forno médio e mais quinze em forno bem baixo. Está pronto quando enfiando um palito no bolo, ele sair limpinho. Fica muito gostoso e levinho, uma delícia. A aveia e as amêndoas dão um crocante que contrasta com a massa levinha, vale a pena experimentar. Quem quiser pode polvilhar açúcar e canela por cima, eu acabei não fazendo, mas acho que dá um toque especial.


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Papardelle com brócolis

Eu gosto muito de paperdelle. Esses dias fiz um rosbife com pimenta e achei que uma massinha ia acompanhar super bem. Tinha uma maço de brócolis na geladeira pedindo para ser usado e aí lembrei de umas receitas que tinha visto na Tv. Não achei a que eu queria, mas achei uma bem parecida da Rita Lobo, do Cozinha prática do GNt que era mais ou menos como eu queria. Era para ser algo simples de fazer e eu queria cozinhar o brócolis no forno para ficar crocante.

- um maço de brócolis (não é aquele híbrido que parece couve-flor, mas se não achar esse outro, pode ser tb), mas só a parte dos floretes, o talo pode ser usado para outra receita
- 4 dentes de alho descascados
- azeite de oliva
- umas 3 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
- meio pacote de papardelle (+- 200g)

Limpe bem o brócolis deixando de molho na água com um pouco de vinagre. Escorra. Corte os florestes e coloque em uma assadeira. Coloque os dentes de alho cortados em quatro partes (se quiser sabor mais pronunciado de alho, pique miudinho). Regue com um pouco de azeite de oliva (acho que umas duas colheres de sopa). Polvilhe o queijo ralado por cima e leve ao forno médio por uns 8 minutos - não precisa cobrir com papel alumínio. Não vai sal porque o queijo já é salgado. Fica assim:



 À parte cozinhe a massa conforme as instruções do fabricante e escorra bem. Misture o brócolis assado, coloque mais azeite de oliva e queijo ralado a gosto e sirva. Eu particularmente tenho gostado muito de fazer legumes assados, porque o sabor fica muito bom, intensificado, a textura fica crocante e não há perda de nutrientes como quando cozidos na água. Super recomendo. Farei um post com várias dicas de como assar legumes em outro momento. Agora aproveitem a receita e me contem se gostaram. Feita em 20 minutos mas muito saborosa.

Aqui o almoço como foi servido, o papaderdelle com rosbife com pimentas. Delicioso em 40 minutos. 


domingo, 2 de agosto de 2015

Rosbife com pimenta

Eu amooo rosbife e nunca tinha feito. Aí estava vendo Tv e vi o primeiro programa da Carolina Ferraz e fiquei me babando por essa receita. A receita original você confere aqui.

Eu obviamente dei uma modificadinha, mas adorei, fora que fica pronto muito rápido. São somente 4 ingredientes:

- 1 kg de filé mignon
- 3 colheres de sopa de sal grosso
- pimenta do reino em grãos (acho que usei umas duas colheres, mas eu só tinha uma mistura de pimentas em casa, que tinha pimenta do reino branca e preta e pimenta rosa junto)
- uma colher de azeite de oliva

Meu marido deixou o filé já limpinho assim porque tivemos de comprar a peça inteira, mas o açougueiro pode já vender esse miolo limpinho assim.
Em um pilão soque o sal grosso com as pimentas para dar uma quebradinha nas pimentas, é importante que não fique muito moída para dar o efeito crocante.

Coloque a pimenta em uma tábua ou bancada do tamanho da peça de carne e espalhe essa mistura de sal e pimenta pela tábua. Unte o filé com o azeite para ajudar a grudar o sal e pimenta. Passeo filé na tábua temperada e aperte bem para grudar esse tempero (na receita original ia tb um maço de tomilho macerado com o sal e pimenta, mas eu não gosto muito de tomilho e achei ótimo assim). Olhem como fica:
 Agora aqueça uma panela e coloque um puco de óleo no fundo. Quando estiver bem quente coloque o filé. Eu usei uma boa panela de ferro para isso. A panela deve ser grande para caber o filé inteiro sem dobrar.


 Deixe uns dez minutos e vire. Eu deixei mais uns 10 minutos de cada lado aproximadamente (virei três vezes no total). O ponto ficou rosado no meio, mas vai do gosto de cada um. Mas em 30 minutos ficou assim:


Para servir fiz um papardelle com brócolis e alho enquanto fazia esse rosbife (posto em seguida essa receita). Em 40 minutos ficou pronto esse almoço de comer ajoelhado no domingo de chuva que estava nesse dia. Fica divino, experimentem e me contem. Bom apetite!!!


Antes que perguntem: não fica apimentado demais, a crosta fica levemente apimentada, mas aí vocês podem dosar quanto dela comer. E se sobrar rosbife, dá para fatiar depois e fazer um sanduíche de rosbife com um pão baguete ou colocar as lascas em uma saladona, fica muito gostoso.

terça-feira, 7 de julho de 2015

Torta fácil de chocolate e nozes

Como bicho guloso que sou (e não apenas curioso), tenho muita lembrança de comidinhas gostosas da infância. Lembro muito de uma torta de chocolate que minha mãe fazia no inverno (porque era bem gordurosa, forte) e que ela não achava a receita. Pois umas semanas atrás fui almoçar na minha sogra e surpresa!!!! Ela sem saber da minha gulodice, fez uma torta de nozes muito parecida com a que minha mãe costumava fazer. Fui obrigada a pegar a receita. Tirei foto do caderno de receitas dela para ter certeza de pegar a receita certa. 

Há alguns dias organizei um evento aqui em casa e achei que essa seria uma boa sobremesa, pois é fácil de fazer, rende bem e pode (ou melhor, deve) ser feita com antecedência. Eu acho que uma prima chama essa torta de torta velha pq pode fazer e congelar,  e quanto mais velha, melhor. 

Eu calculei que daria para umas 10 pessoas, mas sobrou bastante porque ela é boa, mas bem consistente e forte (e na festa tb tinha docinhos além da torta).

A foto não faz jus à maravilha do doce, mas foi o que consegui salvar para fotografar kkk


200g de manteiga sem sal
1 lata de leite condensado
1 e 1/2 xícara de nescau
4 ovos
1 cálice de licor (pode ser rum tb)
250 g de bolacha maria quebradinha
250 g de nozes picadas ou trituradas
1 xícara de passas de uva

Cobertura
200g de chocolate meio-amarga
1 caixa (200g) de creme de leite

Bater na batedeira a manteiga em temperatura ambiente ou levemente amolecida no microondas com o leite condensado, nescau, ovos e licor. Bater bem, vai ficar um tipo de um mousse bem aerado. Quebrar as bolachas (eu coloquei num saco tipo ziploc e fui batendo com um martelo de carne porque queria que uma parte ficasse bem miudinha). Misturar esse creme com as passas de usa, nozes e bolachas quebradas. Colocar em um pirex grande (o meu é um retangular grande 20x34cm eu acho, pode ser até num um pouco maior para ficar mais baixinha). Agora vai à geladeira ou freezer para firmar um pouco. 

Depois de firmar um pouco, colocar a cobertura por cima. Para a cobertura é só derreter a barra de chocolate no microondas por dois minutos em temperatura média (60-70%, depende da regulagem do aparelho) e depois misturar a caixinha de creme de leite. Cobrir a torta com esse creme e aí pode decorar como quiser, com pedaços de nozes, cerejas, passas, chocolate granulado...eu tinha esses confeitos de bolinha em casa, então coloquei por cima para dar uma acabamento. Está pronta a tora. O ideal é deixar na geladeira pelo menso por 24h antes de consumir ou pode até ficar congelada por alguns meses sem problema algum (nesse caso é melhor montar em uma embalagem própria para congelar, não gosto de congelar em pratos de vidro). 

Fica divina!!!

Agora, na próxima vez que eu fizer, vou implementar umas mudanças - deixarei as passas de molho em rum ou no licor por algumas horas antes de fazer a torta. Eu tenho uma lembrança de minha mãe colocar também frutas cristalizadas, para quem gosta, acho que fica bem bom. E eu acho que dá para colocar mais um xícara de passas ou de nozes ou cereja em calda picada ou de frutas secas outras ou dessas frutas cristalizadas mesmo, eu gosto mais pedaçudinha a torta. Mas independentemente dessas mudanças, fica muito bom.